Como Ler Livros? 11 Regras de Mortimer Adler para ler melhor

Como Ler Livros? O Guia Clássico para a leitura inteligente – Conheça as 11 regras para aprender realmente o que lê

Como Ler Livros O Guia Clássico para a leitura inteligente mortimer adler

A dificuldade para muitas pessoas é entender e lembrar o que leram. Para tirar o máximo proveito de um livro, algumas técnicas de leitura podem ser muito úteis. Um dos principais autores que ensina como ler melhor é Mortimer Adler. Ele e Charles Van Doren escreveram a obra Como Ler Livros? O Guia Clássico para a leitura inteligente. Veja as 11 regras de leitura resumidas de forma facilitada.

Em 1940, Como Ler Livros foi publicado pela primeira vez e tornou-se um fenômeno raro, um best-seller. Para muitos, ele já nasceu clássico e é considerado o melhor livro para orientar a compreensão de uma leitura.

Abaixo estão resumidos os principais níveis de leitura e como atingir cada um deles, desde a leitura elementar e rápida até a leitura analítica e sintópica. Há formas corretas de aprender e de criticar cada tipo de obra. 

Para aprender como ler um livro, é necessário classificá-lo em tipos. As técnicas de leitura de cada um são diferentes.

  • Aprenda a ter uma vida intelectual com o Professor Bruno Magalhães em um curso completo da Brasil Paralelo. Torne-se Membro para acessar o conteúdo. São 6 aulas com as dicas mais importantes para dar os primeiros passos.

O que você vai aprender neste artigo?

  1. Por que a obra Como Ler Livros de Mortimer Adler e Charles Van Doren é importante?
  2. Resumo de Como Ler Livros? O Guia Clássico para a leitura inteligente;
  3. A Leitura Elementar;
  4. A Leitura Inspecional;
  5. Como ler um livro? A técnica da leitura exigente;
  6. A Leitura Analítica;
  7. As 11 regras de leitura – Entenda a melhor maneira de ler um livro;
  8. Como ler diversos assuntos?
  9. Leitura Sintópica;
  10. Os fins últimos da leitura;
  11. Lista de clássicos que toda pessoa deveria consultar antes de ler;
  12. Quem foram Mortimer Adler e Charles Van Doren [Biografia].

Por que a obra Como Ler Livros de Mortimer Adler e Charles Van Doren é importante?

Ela aumenta a capacidade de tirar bom proveito das leituras. Milhares de leitores comprovaram esta eficácia desde a primeira publicação do livro.

A obra de Mortimer Adler e Charles Van Doren tem mais de 400 páginas. A intenção dos autores foi abordar com profundidade e abrangência o tema de como ler um livro. Apesar seja grande, o volume é dividido em seções curtas e fáceis de ler.

Em 1970, os autores foram apresentadores de um programa de TV nos Estados Unidos. Os episódios ensinavam justamente A Arte da Leitura.

A última edição de Como Ler Livros foi publicada pela editora É Realizações. A versão de 1972 reformulou completamente as edições de 1940 e 1967. A nova versão contém trechos inéditos e mudanças na abordagem.

A obra fez tanto sucesso que, durante meses, foi a mais vendida nos EUA para suprir o problema da educação. Mais de meio milhão de exemplares foram impressos. No Brasil, foi também um sucesso de vendas.

Adler e Van Doren ensinaram que o conhecimento é dividido em diferentes tipos:

  • Informação, extraída de um autor no mesmo nível do leitor;
  • Conhecimento prático, realizado na experiência; 
  • Compreensão, quando se tem um primeiro contato com uma ideia.

Como Ler Livros explica bem cada um destes tipos e como realizá-los da melhor forma.

A série Pátria Educadora da Brasil Paralelo aborda o tema da educação no Brasil, sua trajetória e problemas atuais. São três episódios gratuitos e imperdíveis.

Em geral, a alfabetização não prepara uma pessoa para níveis mais avançados de leitura. Justamente isto será explicado nos próximos tópicos.

Resumo de Como Ler Livros? O Guia Clássico para a leitura inteligente

Resumo de Como ler livros de Mortimer Adler

Os autores ensinaram como praticar a leitura. Seguindo os passos que eles deixaram e que serão listados, é possível ler melhor. Os níveis de leitura são: elementar, inspecional, analítico e sintópico.

Como Ler Livros é mais do que um guia de leitura, é um tratado sobre filosofia e educação.

As quatro partes da obra são:

  1. As dimensões da leitura;
  2. O terceiro nível de leitura: a Leitura Analítica;
  3. Como ler diversos assuntos;
  4. Os fins últimos da leitura.

Não é simplesmente uma questão de leitura mais rápida, leitura dinâmica ou algo semelhante. Adler e Van Doren ensinam como o leitor pode descobrir o propósito de cada livro e como lê-lo da maneira correta.

Logo no início de Como Ler Livros, são descritos os motivos primários que levam uma pessoa a querer ler.

Por que lemos?

Os três motivos básicos são a busca por:

  • Entretenimento;
  • Informação;
  • Conhecimento.

Entender um conteúdo é passar de um entendimento inferior para um superior.

“Aprender com um livro é aprender com um professor ausente. Ao terminar a leitura, o ideal é saber mais do que antes dela, conhecendo mais.”

Isto só será possível trilhando um caminho específico, com 4 níveis.

Quais são os 4 níveis de leitura?

  1. Elementar. É a alfabetização, a decodificação das frases para saber o que está sendo dito. Neste nível, o leitor deve ser capaz de responder à seguinte pergunta: O que diz a frase?
  1. Inspecional. É a extração do máximo do livro em um curto espaço de tempo. É preciso folheá-lo sistematicamente para saber qual é seu tema principal;
  1. Analítico. É a leitura completa, intensa e ativa. O livro é “mastigado e digerido”;
  1. Sintópico. É a leitura de muitos livros, ordenando-os em relação ao assunto principal abordado em todos. A comparação entre eles é feita e a partir dela pode surgir uma análise que não está em nenhum deles.

Cada nível mencionado será detalhado ao longo deste artigo.

A Leitura Elementar

Para realizar a leitura elementar, é preciso ter:

  • Prontidão para a leitura;
  • Prontidão física;
  • Prontidão intelectual;
  • Prontidão linguística.

Para que todos estes requisitos sejam atendidos, o indivíduo precisa ter domínio do vocabulário e desenvolvê-lo de forma mais abrangente. Precisa ser alfabetizado de forma funcional e lidar com o contexto das leituras.

Torne-se Membro da Brasil Paralelo para fazer o Curso sobre Educação dos Filhos, entre outros temas de homeschooling. Há um benefício em alfabetizar crianças com seus próprios pais e você pode aprender isto.

A Leitura Inspecional

Ela está dividida em duas fases:

Pré-leitura ou sondagem sistemática

O livro precisa ser sondado. O intuito é descobrir seu conteúdo, seu tipo e a intenção do autor. 

  1. Examine a folha de rosto, o prefácio e o sumário; 
  2. Consulte o índice remissivo;
  3. Leia a contracapa e a sobrecapa;
  4. Examine os capítulos que pareçam conter o argumento principal;
  5. Folheie o livro;
  6. Leia duas ou três páginas finais e o epílogo.

“A técnica de leitura consiste em ler como um detetive. No final, o leitor saberá onde na estante o livro deve ficar, porque saberá o seu tipo.”

Leitura superficial 

“Ao encarar um livro difícil pela primeira vez, leia-o sem parar, isto é, leia-o sem se deter nos trechos mais espinhosos e sem refletir nos pontos que ainda permanecem incompreensíveis”.

Isso permite uma maior compreensão na segunda leitura. Isto deve acontecer de forma rápida, mas é preciso saber quando deter-se em uma leitura mais lenta.

“Nenhum livro deve ser lido mais lentamente do que merece, e nenhum livro deve ser lido mais rapidamente do que seu aproveitamento e compreensão exigirem”.

Em Como Ler Livros, Mortimer Adler sugere usar os dedos para se acostumar a um ritmo mais veloz. Ao passar os dedos pelas frases, os olhos acompanham sua velocidade. Quanto mais rápido o dedo, mais rápida é a leitura. 

Como ler um livro? A técnica da leitura exigente

Para compreender melhor o livro e lembrar-se do que foi lido ao terminar uma obra, é fundamental responder às quatro questões seguintes.

  1. O livro fala sobre o quê?
  2. O que exatamente está sendo dito, e como?
  3. O livro é verdadeiro? Em todo ou em parte?
  4. E daí?

A quarta pergunta soa estranha, mas é uma das mais importantes. É preciso saber qual a diferença que o livro fez em sua vida. Ao respondê-la, você saberá o que sua leitura acrescentou.

Para mais estudos, assista às produções gratuitas da Brasil Paralelo. Milhões de brasileiros já aprenderam muito com elas.

Além de responder às quatro perguntas fundamentais, outra dica em Como Ler Livros é anotar nas páginas enquanto se lê.

Por que escrever no livro?

De acordo com o autor, ao fazer isso pode-se tirar bons proveitos.

  • Escrever mantém o leitor desperto;
  • Ler é pensar e o pensamento se expressa na escrita;
  • Anotar ajuda a lembrar.

Dicas: Sublinhe, faça linhas verticais nas margens, asteriscos nas páginas importantes, números nas margens que fazem referências a outras partes do livro ou de outros livros, circule palavras-chave e escreva nas margens.

“Ler é conversar com o autor”.

Fazer anotações faz parte deste diálogo.

Quais são os 3 tipos de anotações?

Anotar no livro é uma técnica de leitura

A sugestão do autor é fazer a seguinte divisão:

Anotações estruturais. Respondem às perguntas “Qual o tipo do livro?”, “O que ele diz?”, “Qual a estrutura e conceitos do argumento?”. Recomenda-se já ter estas notas escritas no sumário.

Anotações conceituais. São as ideias que se têm durante a leitura, anotadas ao longo do livro. 

Anotações sobre o perfil do debate. São dialéticas e normalmente feitas em papéis à parte. 

Faz-se o hábito quando é realizado repetidas vezes, com constância. É preciso conhecer as regras e praticá-las. Por isso, treine as regras que serão ensinadas a seguir.

A Leitura Analítica

Mortimer Adler divide a Leitura Analítica em três estágios e em uma sequência de 11 regras de leitura para obter o máximo proveito do conteúdo.

Neste resumo de Como Ler Livros, as regras são simplificadas. Para compreender plenamente o que o autor quis ensinar, é muito importante a leitura do livro em sua totalidade.

Veja também as dicas do professor Guilherme Freire:

As 11 regras de leitura – Entenda a melhor forma de ler um livro

11 regras de como ler um livro

Regra 1

Você deve saber que tipo de livro está lendo antes mesmo de começar. Faça a classificação de acordo com o título e o assunto.

É preciso radiografar o livro. Os bons livros possuem uma unidade e uma organização de suas partes.

As obras expositivas transmitem conhecimento. Basicamente, são teóricas ou práticas. 

As obras teóricas são de ciência pura, como história, filosofia, etc. Elas ensinam algo e é justamente nelas que estas regras são aplicadas. As obras práticas são sobre um conhecimento orientado para a ação, focando em “como fazer”.

Regra 2 

Expresse a unidade do livro em uma única frase ou em algumas poucas. 

Responda: Sobre o que é o livro? Você deve ser capaz de dizer qual é o tema central, o ponto principal.

Regra 3

Exponha as partes principais do livro e mostre como elas estão ordenadas em relação ao todo. Enumere as partes principais em ordem.

Por exemplo, a trama comum dos romances pode ser simplificada da seguinte forma: um garoto conhece uma garota, apaixona-se, perde-a e depois a recupera. Em tal capítulo acontece isso; e no outro, aquilo.

O foco principal da terceira regra é explicar as partes do livro em relação ao fio condutor de toda a trama, que vai do começo ao fim.

Regra 4 

Descubra quais foram os problemas do autor. Você precisa saber qual foi a principal pergunta que o próprio autor tentou responder.

Regra 5

Encontre as palavras importantes e, através delas, entre em acordo com o autor.

Isto significa encontrar o sentido comum das palavras, entrar em sintonia com o autor e com o contexto para evitar as ambiguidades que possam ser um ruído na leitura. Será muito prejudicial entender uma palavra de uma forma que o autor não queria que ela fosse entendida.

Para saber quais são as palavras mais importantes, que merecem ser destacadas, existem algumas técnicas. O autor naturalmente enfatiza algumas palavras, repete-as e escreve as outras em função delas. É preciso separar as palavras mais técnicas e conceituais, que nomeiam conceitos-chave, das palavras mais genéricas e coloquiais.

Por exemplo: Em A Riqueza das Nações de Adam Smith, as palavras que mais merecem destaque são: riqueza, trabalho, capital, propriedade, salário, lucro, aluguel, mercadorias, preço, câmbio, produtivo, improdutivo, moeda.

Já em A Origem das Espécies de Charles Darwin, outras palavras recebem mais atenção: Espécie, variedade, gênero, seleção, sobrevivência, adaptação, hábito, aptidão, criação.

Quando nos depararmos com as palavras importantes para o autor, devemos nos perguntar quantos sentidos ela tem. Uma dica de Adler para contribuir com a leitura é:

“Descobre-se o sentido de uma palavra não entendida por meio do significado de todas as conhecidas”.

Para estarmos de acordo com Euclides, por exemplo, precisamos saber o que significa “ponto”, aquilo que não tem partes.

Regra 6

Marque as frases mais importantes do livro e descubra as proposições que elas contêm.

Dica: As frases mais importantes são muitas vezes justamente as mais difíceis de entender, ou as que o autor passa mais tempo explicando. São partes imprescindíveis ao seu argumento. 

Essas frases contêm as palavras-chave e seus conceitos.

  • Se você estiver interessado em cultivar a vida intelectual, faça o curso do Professor Bruno Magalhães, que tem como referência o Padre Sertillanges, autor do famoso livro A Vida Intelectual. Para isso, torne-se Membro da Brasil Paralelo e acesse o Núcleo de Formação.

Regra 7

Localize ou formule os argumentos básicos do livro com base nas conexões entre as frases.

As frases mais importantes são as que mais desafiam a inteligência, as que exigem mais. Por isso, são as que mais ensinam. Podem ser premissas afirmativas ou negativas que sustentam um argumento ou sua conclusão.

As proposições contidas nas frases são os entendimentos que elas expressam. Para saber se você entendeu a proposição que uma frase enuncia, explique o que você leu com suas próprias palavras.

Ao fazer isso, você diz a mesma coisa usando outros códigos, ou seja, outras letras. Isto demonstra que você compreendeu o que está além das palavras e consegue enunciar de formas diferentes. 

Caso não consiga fazer isso, significa que as palavras foram transmitidas, mas não o conhecimento (a proposição). Leia novamente até conseguir.

Além disso, você deve ser capaz de pensar em aplicações para o que você leu, em vivências, exemplos e analogias.

Caso o argumento do autor não esteja explícito, você é quem deverá construí-lo. Para isso, é necessário unir frases de parágrafos diferentes até alcançar uma sequência argumentativa.

Cada argumento possui uma limitação de afirmações e podem ser indutivos ou dedutivos.

  • Dedutivos: Afirmações gerais para outras generalizações ou para entender fatos específicos;
  • Indutivos: Parte-se de um ou mais fatos específicos para generalizações.

Para elaborar o argumento é preciso ter clareza em dois pontos. 

Note qual é a suposição e o que precisa ser provado. O início de um bom argumento é uma premissa autoevidente, do tipo que não precisa de nenhuma prova, com a qual todos devem concordar.

Regra 8

Descubra quais são as soluções do autor. Ele conseguiu resolver o que propôs?

Regra 9

Você tem de dizer com razoável grau de certeza “eu entendo” antes que possa dizer “concordo”, “discordo” ou “suspendo meu julgamento”.

É preciso entender que crítica não é sinônimo de discórdia. O crítico não pode ser juiz antes de ser leitor. A crítica é uma resposta ao autor.

Aquele que diz a frase abaixo não segue este princípio e está fechado ao conhecimento:

“Não entendi o que você disse, mas acho que você está errado”.

Nota: Não leia para criticar, leia para pensar e ponderar. Para aprender, usamos nossa capacidade de julgamento independente. 

  • A educação contemporânea valoriza a crítica de maneira oposta. Assista à série Pátria Educadora para entender o problema da educação brasileira.

Regra 10

Quando discordar, faça-o de maneira sensata, sem gerar disputas ou discussões. 

Para entender bem esta regra, Mortimer recorda em Como Ler Livros uma frase de Aristóteles: 

“A piedade exige que honremos a verdade acima de nossos amigos”.

Portanto, o mais importante é conhecer a verdade, não vencer o debate. 

Regra 11

Respeite a diferença entre conhecimento e opinião, fornecendo as razões para quaisquer julgamentos críticos que fizer. 

Dica para resolver discórdias:

  • Deixe as emoções de lado;
  • Explique as premissas e pressuposições;
  • Seja imparcial para evitar cegueiras partidárias.

Formas de discordar:

  • Você está desinformado (Qual conhecimento está faltando?);
  • Você está mal informado (O que não é verdadeiro?);
  • Você é ilógico e seu raciocínio não é coerente (Falácia);
  • Sua análise está incompleta (Problema não resolvido).

Para complementar esta estratégia, outros suportes podem ser necessários.

O que é leitura extrínseca?

Esta é aquela que se faz tendo-se em vista outro livro. Lemos obras de apoio ao livro que realmente queremos entender.

Elas podem conter um tipo de experiência que não temos e que é necessária para entender um assunto. Podem ser outros livros, comentários, resumos (melhores após a leitura do livro), obras de referência.

Estão incluídos dicionários e enciclopédias. Mas para usá-los corretamente é preciso ter uma ideia do que se quer saber. Sem isso, eles não servirão. Temos de saber encontrar o assunto em dicionários e enciclopédias, como as obras estão organizadas e o que podem responder.

Como ler diversos assuntos?

As 11 regras de leitura em Como Ler Livros de Mortimer Adler não são aplicáveis a todos os tipos de livros. Outros gêneros possuem formas mais adequadas para serem bem compreendidos. 

Como ler livros práticos?

Este tipo de livro enuncia regras mais ou menos gerais e os princípios que regem estas regras. Os problemas práticos são resolvidos com a ação, não com o livro em si.

O julgamento é baseado nas seguintes perguntas: As regras funcionam? Elas cumprem o que propõem?

Em um livro prático, o que o autor quer mostrar é o que ele quer que façamos. Como ele quer isso?

Como ler livros imaginativos?

Como ler livros de fantasia e poesia

Primeiro, é mais benéfico entender como não ler as obras imaginativas.

A finalidade dos romances, novelas, poemas, peças de teatro, dramaturgias, epopeias e afins é o de serem artes finas. Isto significa que estas obras possuem um fim em si mesmas.

A ficção possui um apelo primário à imaginação, à experiência profunda. Na Leitura Analítica lemos como uma ave de rapina. Na imaginativa, devemos estar abertos às impressões que a obra deseja causar na alma.

Elas pretendem fazer com que o leitor tenha uma experiência, mais do que um conhecimento extra.

A maneira de lidar com a linguagem também é diferente. Não procuramos termos, proposições ou argumentos. Em uma poesia, por exemplo, as afirmações não têm a pretensão de ser lógicas. Por licença poética, podem ser obscuras.

Romances, narrativas e afins ensinam de maneira derivada e não direta. Propiciam uma experiência, e aprendemos com a vida dos personagens.

Ao ler e viver as experiências dos personagens, o efeito da leitura foi cumprido. Trata-se de um mergulhar em um outro mundo, com outras regras. Colocar-se em novos cenários, ao lado dos personagens vivendo cada qual seu drama e sentindo junto com eles o que é próprio daquele momento. 

Obras imaginativas também não podem ser julgadas com critérios de verdade e coerência que são devidos à comunicação do conhecimento. Na ficção, a “verdade” é a verossimilhança. 

Por exemplo, não é inverossímil que um mago use magia em uma ficção. 

Regras gerais para romances, poemas e peças teatrais:

  • Regras estruturais 

É preciso classificar se é um teatro, romance, novela, poema, epopeia, etc. Descobre-se então a unidade narrativa, que é o enredo. Finalmente, descobre-se como o todo é composto de suas partes.

  • Regras interpretativas

Cria-se familiaridade com os personagens para viver com eles, através de sua visão, os eventos vividos por eles. Familiariza-se também com o mundo em que eles vivem. Uma vez feito isto, basta segui-los em suas aventuras.

  • Regras críticas

Não se critica este tipo de obra até ter vivido e apreciado completamente a experiência que o autor desejava. A crítica é baseada no gosto, se gostamos ou não. Ela não envolve o critério da verdade ou da mentira.

Por último, a beleza da obra está relacionada com o prazer que temos quando a conhecemos bem.

  • Experimente imergir nas séries da Brasil Paralelo. São produções com qualidade cinematográfica. Ao fazer isso, você aprende e se entretém ao mesmo tempo. 

Como ler narrativas, peças e poemas?

Como já vimos, escritos imaginativos são artes finas, pois têm em si mesmos o seu fim. Para lê-los, basta experimentá-los, prová-los.

Por isso, o ideal ao ler narrativas é lê-las rapidamente. Esta dica é para que o leitor viva o mais intensamente possível os acontecimentos daquelas vidas fictícias.

A sugestão de Mortimer Adler é que todos tenham a experiência de ler Homero, Virgílio, Dante e Milton.

Ao ler peças teatrais, devemos fingir ver a representação no palco. E a poesia lírica deve ser lida até o fim sem parar para reforçar a unidade. Em seguida, lê-la novamente em voz alta.

Como ler livros de história?

É preciso ler mais de um relato sobre um acontecimento ou um período. O evento em estudo possui importância prática?

O bom livro de história também é universal.

“A história é a narrativa do que nos trouxe até aqui”. 

Com historiadores, podemos aprender sobre o presente e o futuro. É por isso que lemos sobre o passado; para saber como os homens agem em todos os tempos e lugares.

Outra habilidade de leitura, mais avançada, é a de comparar diferentes livros.

Leitura Sintópica

PRIMEIRA PARTE – Inspeção de campo preparatória

  • Preparar a bibliografia provisória consultando orientadores, bibliotecas, bibliografias, dicionários, enciclopédias;
  • Inspecionar os livros da bibliografia provisória para ter certeza – ou não – de que abordam o que precisamos.

SEGUNDA PARTE – Como proceder?

  • Encontrar passagens relevantes;
  • Fazer os autores entrarem em acordo;
  • Esclarecer questões;
  • Definir divergências;
  • Analisar a discussão.

Os fins últimos da leitura

Como Ler Livros é um programa de estudos. A Leitura Sintópica, que foi explicada, é exatamente o nível em que o indivíduo adquire uma conversação civilizacional. Esta é a capacidade de dialogar com a civilização, com vários autores. Ao mesmo tempo, vários temas e modos diferentes são assimilados em suas semelhanças e diferenças.

Ao fazer a Leitura Sintópica, o leitor consegue entender a mensagem própria de cada livro e situá-lo no pensamento universal.

Adler e Van Doren sugerem que o conjunto de obras que uma pessoa vai ler seja como uma pirâmide. A base deve ser larga para sustentar um crescimento contínuo. Com o passar do tempo, há uma seleção maior dos livros a serem escolhidos, afunilando o processo.

Outro grande aprendizado que se conquista com a obra Como Ler Livros é a economia de tempo. Algumas obras demandam mais tempo, outras não. O ideal é não despender mais tempo do que o necessário com leituras superficiais.

As obras mais relevantes para cada um são as que merecem mais dedicação. É preciso aprender a não terminar um livro se ele não for bom. Chegar ao fim simplesmente por chegar, para dizer que leu, não traz proveito.

A importância dos clássicos

Para Adler, os clássicos foram os livros que transmitiram grandes ideias à humanidade pela primeira vez. Eles ditam a forma como outros livros são lidos e como a própria realidade é entendida.

Pensando nisso, em Como Ler Livros há um apêndice com uma lista de clássicos e uma seção com testes para exercitar os níveis de leitura. As perguntas feitas abrangem vários gêneros literários. 

Lista de clássicos que todos deveriam consultar antes de ler

Lista de livros clássicos para ler

São mais de 130 sugestões de autores clássicos. Cada um deve priorizar o que esteja buscando no momento ou de acordo com seu próprio interesse. A lista abaixo serve como um panorama do repertório indicado por Adler e Van Doren.

Livros recomendados em Como Ler Livros

  1. Homero
    Ilíada
    Odisseia
  2. Velho Testamento
  3. Ésquilo
    Tragédias
  4. Sófocles
    Tragédias
  5. Heródot
    História
  6. Eurípides
    Tragédias (especialmente Medeia, Hipólito, Bacantes)
  7. Tucídides
    História da Guerra do Peloponeso
  8. Hipócrates
    Textos médicos
  9. Aristófanes
    Comédias (especialmente As Nuvens, Os Pássaros, As Rãs)
  10. Platão
    Diálogos (especialmente República, Banquete, Fédon, Mênon, Apologia de Sócrates, Fedro, Protágoras, Górgias, Sofista, Teeteto)
  11. Aristóteles
    Obras (especialmente Organon, Física, Metafísica, Da Alma, Ética a Nicômaco, Política, Retórica, Poética)
  12. Epicuro
    Carta a Heródoto
    Carta a Meneceu
  13. Euclides
    Elementos (de Geometria)
  14. Arquimedes
    Obras (especialmente Do Equilíbrio dos Planos, Dos Flutuantes, O Arenário)
  15. Apolônio de Perga
    Sobre as Seções Cônicas
  16. Cícero
    Obras (especialmente Orações, Da Amizade, Sobre a Velhice)
  17. Lucrécio
    Sobre a Natureza das Coisas
  18. Virgílio
    Obras
  19. Horácio
    Obras (especialmente as Odes e os Epodos, e A Arte da Poesia)
  20. Lívio
    História de Roma
  21. Ovídio
    Obras (especialmente as Metamorfoses)
  22. Plutarco
    Vida dos Nobres Gregos e Romanos
    Moralia
  23. Tácito
    Histórias
    Anais
    Agrícola
    Germânia
  24. Nicômaco de Gerasa
    Introdução à Aritmética
  25. Epicteto
    Discursos
    Enchyridion
    (Manual)
  26. Ptolomeu
    Almagesto
  27. Luciano
    Obras (especialmente Sobre o Modo de Escrever História, Uma História Verídica, Leilão de Vidas)
  28. Marco Aurélio
    Meditações
  29. Galeno
    Sobre as Faculdades Naturais
  30. Novo Testamento
  31. Plotino
    Enéadas
  32. Santo Agostinho
    Obras (especialmente Sobre o Ensino, Confissões, A Cidade de Deus, A Doutrina Cristã)
  33. A Canção de Rolando
  34. A Canção do Nibelungo
  35. A Saga de Njal
  36. Santo Tomás de Aquino
    Suma Teológica
  37. Dante Alighieri
    Obras (especialmente Vida Nova, Sobre a Monarquia e A Divina Comédia)
  38. Geoffrey Chaucer
    Obras (especialmente Troilo e Créssida e Os Contos de Canterbury)
  39. Leonardo da Vinci
    Cadernos
  40. Nicolau Maquiavel
    O Príncipe
    Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio
  41. Erasmo de Rotterdam
    O Elogio da Loucura
  42. Nicolau Copérnico
    Sobre as Revoluções das Esferas Celestiais
  43. Thomas More
    Utopia
  44. Martinho Lutero
    Três Tratados
    Conversas à Mesa
  45. François Rabelais
    Gargântua e Pantagruel
  46. João Calvino
    Institutos da Religião Cristã
  47. Michel de Montaigne
    Ensaios
  48. William Gilbert
    Sobre o Ímã e os Corpos Magnéticos
  49. Miguel de Cervantes
    Dom Quixote
  50. Edmund Spenser
    Protalâmio
    A Rainha das Fadas
  51. Francis Bacon
    Ensaios
    A Evolução do Aprendizado
    Novo Organum
    Nova Atlântida
  52. William Shakespeare
    Obras
  53. Galileu Galilei
    O Mensageiro das Estrelas
    Duas Ciências Novas
  54. Johannes Kepler
    Epítome da Astronomia de Copérnico
    Sobre a Harmonia do Mundo
  55. William Harvey
    Sobre o Movimento do Coração e do Sangue nos Animais
    Sobre a Circulação do Sangue
    Sobre a Geração dos Animais
  56. Thomas Hobbes
    Leviatã
  57. René Descartes
    Regras para a Direção da Mente
    Discurso sobre o Método
    Geometria
    Meditações sobre a Filosofia Primeira
  58. John Milton
    Obras (especialmente Poemas Curtos, Areopagitica, Paraíso Perdido e Samson Agonistes [Sansão Guerreiro])
  59. Molière
    Comédias (especialmente O Misantropo, Escola de Mulheres, O Doente Imaginário e Tartufo)
  60. Blaise Pascal
    As Provinciais
    Pensamentos
    Tratados Científicos
  61. Christiaan Huygens
    Tratado sobre a Luz
  62. Espinosa
    Ética
  63. John Locke
    Carta sobre a Tolerância
    Sobre o Governo Civil
    (o segundo dos Dois Tratados sobre o Governo)
    Ensaio sobre o Entendimento Humano
    Alguns Pensamentos sobre a Educação
  64. Jean Baptiste Racine
    Tragédias (especialmente Andrômaca e Fedra)
  65. Isaac Newton
    Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica
    Óptica
  66. Gottfried Wilhelm von Leibniz
    Discurso de Metafísica
    Novos Ensaios sobre o Entendimento Humano
    Monadologia
  67. Daniel Defoe
    Robinson Crusoé
  68. Jonathan Swift
    História de um Tonel
    Diário para Stella
    As Viagens de Gulliver
    Modesta Proposição
  69. William Congreve
    Assim Vai o Mundo
  70. George Berkeley
    Tratado sobre os Princípios do Conhecimento Humano
  71. Alexander Pope
    Ensaio sobre a Crítica
    O Rapto da Madeixa
    Ensaio sobre o Homem
  72. Charles de Secondat, barão de Montesquieu
    Cartas Persas
    O Espírito das Leis
  73. Voltaire
    Cartas Filosóficas
    Cândido
    Dicionário Filosófico
  74. Henry Fielding
    Joseph Andrews
    Tom Jones
  75. Samuel Johnson
    A Vaidade dos Desejos Humanos
    Dicionário
    A História de Rasselas, Príncipe da Abissínia
    Vida dos Poetas Ingleses
    (especialmente os ensaios sobre Milton e Pope)
  76. David Hume
    Tratado sobre a Natureza Humana
    Ensaios Morais e Políticos
    Uma Investigação sobre o Entendimento Humano
  77. Jean Jacques Rousseau
    Discurso sobre a Origem da Desigualdade
    Discurso sobre a Economia Política
    Emílio
    O Contrato Social
  78. Laurence Sterne
    Tristram Shandy
    Viagem Sentimental através da França e da Itália
  79. Adam Smith
    Teoria dos Sentimentos Morais
    Riqueza das Nações
  80. Immanuel Kant
    Crítica da Razão Pura
    Princípios Fundamentais da Metafísica da Moral
    Crítica da Razão Prática
    Doutrina do Direito
    Crítica da Faculdade do Juízo
    A Paz Perpétua
  81. Edward Gibbon
    Declínio e Queda do Império Romano
    Autobiografia
  82. James Boswell
    Journal [Diário] (especialmente o London Journal [Diário de Londres])
    Vida de Samuel Johnson
  83. Antoine Laurent Lavoisier
    Elementos de Química
  84. John Jay, James Madison e Alexander Hamilton
    O Federalista (também Artigos da Confederação, Constituição dos Estados Unidos e Declaração de Independência)
  85. Jeremy Bentham
    Uma Introdução aos Princípios da Moral e da Legislação
    Teoria das Ficções
  86. Johann Wolfgang von Goethe
    Fausto
    Poesia e Verdade
  87. Jean-Baptiste Joseph Fourier
    Teoria Analítica do Calor
  88. Georg  Wilhelm Friedrich Hegel
    Fenomenologia do Espírito
    Princípios da Filosofia do Direito
    Filosofia da História
  89. William Wordsworth
    Poemas (especialmente Lyrical Ballads [Baladas Líricas], Lucy Poems [Poemas de Lucy], sonetos; The Prelude [O Prelúdio])
  90. Samuel Taylor Coleridge
    Poemas (especialmente Kubla Khan e A Balada do Velho Marinheiro)
    Biografia Literária
  91. Jane Austen
    Orgulho e Preconceito
    Emma
  92. Karl von Clausewitz
    Da Guerra
  93. Stendhal
    O Vermelho e o Negro
    A Cartuxa de Parma
    Sobre o Amor
  94. George Gordon, Lord Byron
    Don Juan
  95. Arthur Schopenhauer
    Estudos sobre o Pessimismo
  96. Michael Faraday
    A História Química de uma Vela
    Pesquisas Experimentais em Eletricidade
  97. Charles Lyell
    Princípios de Geologia
  98. Auguste Comte
    Curso de Filosofia Positiva
  99. Honoré de Balzac
    O Pai Goriot
    Eugénie Grandet
  100. Ralph Waldo Emerson
    Homens Representativos
    Ensaios
    Diário
  101. Nathaniel Hawthorne
    A Letra Escarlate
  102. Alexis de Tocqueville
    A Democracia na América 
  103. John Stuart Mill
    Sistema de Lógica Dedutiva e Indutiva
    Sobre a Liberdade
    Considerações sobre o Governo Representativo
    Utilitarismo
    A Sujeição das Mulheres
    Autobiografia
  104. Charles Darwin
    A Origem das Espécies
    A Descendência do Homem
    Autobiografia
  105. Charles Dickens
    Obras (especialmente As Aventuras do Sr. Pickwick, David Copperfield e Tempos Difíceis)
  106. Claude Bernard
    Uma Introdução ao Estudo da Medicina Experimental
  107. Henry David Thoreau
    Desobediência Civil
    Walden
  108. Karl Marx
    O Capital (também O Manifesto Comunista)
  109. George Eliot
    Adam Bede
    Middlemarch
  110. Herman Melville
    Moby Dick
    Billy Budd
  111. Fiódor Dostoiévski
    Crime e Castigo
    O Idiota
    Os Irmãos Karamázov
  112. Gustave Flaubert
    Madame Bovary
    Três Histórias
  113. Henrik Ibsen
    Peças (especialmente Hedda Gabler, Casa de Boneca e O Pato Selvagem)
  114. Leon Tolstói
    Guerra e Paz
    Anna Karenina
    O que é Arte?

    Contos (Twenty-Three Tales)
  115. Mark Twain
    As Aventuras de Huckleberry Finn
    The Mysterious Stranger
    [O Estrangeiro Misterioso]
  116. William James
    Princípios de Psicologia
    As Variedades da Experiência Religiosa
    Pragmatismo
    Ensaios de Empirismo Radical
  117. Henry James
    Os Americanos
    Os Embaixadores
  118. Friedrich Wilhelm Nietzsche
    Assim Falou Zaratustra
    Além do Bem e do Mal
    Genealogia da Moral
    Vontade de Potência
  119. Jules Henri Poincaré
    Ciência e Hipótese
    Ciência e Método
  120. Sigmund Freud
    A Interpretação dos Sonhos
    Conferências Introdutórias à Psicanálise
    O Mal-Estar da Civilização
    Novas Conferências Introdutórias à Psicanálise
  121. George Bernard Shaw
    Peças (e seus prefácios; especialmente Homem e Super-Homem, Major Barbara, César e Cleópatra, Pigmalião e Santa Joana)
  122. Max Planck
    Origin and Development of the Quantum Theory [Origem e Desenvolvimento da Teoria Quântica]
    Where Is Science Going? [Para Onde Vai a Ciência?]
    Scientific Autobiography [Autobiografia Científica]
  123. Henri Bergson
    Time and Free Will [Tempo e Livre-Arbítrio]
    Matéria e Memória
    A Evolução Criadora
    As Duas Fontes da Moralidade e da Religião
  124. John Dewey
    Como Nós Pensamos
    Democracia e Educação
    Experiência e Natureza
    Lógica – a Teoria da Investigação
  125. Alfred North Whitehead
    Introdução à Matemática
    A Ciência e o Mundo Moderno
    Os Fins da Educação e Outros Ensaios
    Aventuras das Ideias
  126. George Santayana
    A Vida da Razão
    Skepticism and Animal
    Faith [Ceticismo e Fé Animal]
    Persons and Places [Pessoas e Lugares]
  127. Lênin
    O Estado e a Revolução
  128. Marcel Proust
    Em Busca do Tempo Perdido
  129. Bertrand Russell
    Os Problemas da Filosofia
    Análise da Mente
    An Inquiry into Meaning and Truth
    [Uma Investigação sobre o Sentido e a Verdade]
    Human Knowledge; its Scope and Limits [O Conhecimento Humano; seu Alcance e seus Limites]
  130. Thomas Mann
    A Montanha Mágica
    José e seus Irmãos
  131. Albert Einstein
    O Significado da Relatividade
    Sobre o Método da Física Teórica
    A Evolução da Física
    (com Leopold Infeld)
  132. James Joyce
    Os Mortos (de Dublinenses)
    Retrato do Artista quando Jovem
    Ulisses
  133. Jacques Maritain
    Arte e Escolástica
    Os Graus do Conhecimento
    Os Direitos do Homem e a Lei Natural
    Humanismo Integral
  134. Franz Kafka
    O Processo
    O Castelo
  135. Arnold Toynbee
    Um Estudo da História
    A Civilização em Julgamento
  136. Jean-Paul Sartre
    A Náusea
    Entre Quatro Paredes
    O Ser e o Nada
  137. Alexander Soljenítsin
    O Primeiro Círculo
    Pavilhão dos Cancerosos

Quem foram Mortimer Adler e Charles Van Doren [Biografia]

Mortimer Adler autor de como ler livros

Mortimer Adler nasceu em Nova York em 1902. Sua família era judia, mas ele converteu-se ao cristianismo. Suas principais referências foram Aristóteles, São Tomás de Aquino, John Locke e John Stuart Mill.

Estudou na escola regular até os 14 anos. Com esta idade, começou a trabalhar no jornal New York Sun. Para aprimorar sua escrita e ser jornalista, ingressou na Universidade de Columbia. Mesmo sem concluir sua graduação, recebeu o título de doutor honorário.

Ele também ensinou psicologia e escreveu obras de filosofia. Publicou diversos livros. Adotava linguagem simples e acessível. Em 1930, foi professor na Universidade de Chicago e fundou instituições como o Center for ther Study of the Great Ideas e o Aspen Institute.

Faleceu aos 98 anos, em 2001.

Charles Van Doren nasceu em 1926 também em Nova York. Foi colaborador de Adler na última edição de Como Ler Livros. Era uma personalidade conhecida na televisão americana na década de 50. Era filho e sobrinho de escritores laureados com o prêmio Pulitzer. 

Graduou-se em artes liberais e foi mestre em astrofísica e doutor em língua inglesa. As universidades onde se formou foram Columbia e Cambridge. Lecionou em Connecticut.

Faleceu aos 93 anos, em 2019.

Se você gostou das técnicas que aprendeu neste resumo de Como Ler Livros, comente este artigo. Além disso, compartilhe com quem você sabe que gostaria de ler melhor.

Se você ainda não conhece a Brasil Paralelo, confira nossas produções gratuitas. Milhões de brasileiros já aprenderam com nossos documentários.

31 comentários

  1. Gilvan

    Vou colocar em práticas tais ensinos. Tenho diversos dos livros citados que paguei mixaria em um sebo.

    Obrigado Brasil Paralelo.

    “E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará” João 8:32

  2. Marçal Roberto Ferreira de Freitas

    Muito elucidativo.
    Já tinha ouvido falar em Mortimer Adler, mas não li a obra ainda.
    Na regra 7, os conceitos de DEDUTIVO (geral para o particular) e INDUTIVO (particular para o geral) estão trocados e merece uma errata.

  3. Vilmar Reckziegel

    Excelente artigo. Confesso que essa é a minha maior dificuldade da vida. Realmente tem várias dicas para melhorarmos a compreensão. Já vi Pátria Educadora e sei de onde vem esse problema que certamente me afetou também. Vcs são demais mesmo. Parabéns.

  4. Lobo Guerreiro

    Além de independente, isenta, apartidária e de não receber um centavo do dinheiro publico, qual é a posição da BP em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  5. Débora Garcia Hermesmeyer Pacheco

    Ótimo artigo! Bem elucidativo e esclarecedor. Já utilizo algumas práticas, outras preciso adotar. Obrigada pelas dicas. Merece ser compartilhado.

  6. Lobo Guerreiro

    Além de independente, isenta, apartidária e de não receber um centavo do dinheiro publico, qual é a posição da Brasil Paralelo em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  7. Lobo Guerreiro

    Além de independente, qual é a posição da BP em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  8. Lobo Guerreiro

    Além de independente, qual é a posição da Brasil Paralelo em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  9. Lobo Guerreiro

    Além de independente, qual é a posição do BP em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  10. Lobo Guerreiro

    Além de independente, qual é a posição do Brasil Paralelo em relação ao governo Bolsonaro?
    Vocês são a favor ou contra o comportamento do governo?
    Como o comportamento na pandemia, colocar um petista no STF, acordo com centrão… etc.

  11. Vitor Tavares Chaves

    Tudo o que a Brasil Paralelo produz é de altíssima qualidade; este artigo não e exceção.
    Agradeço por tamanha ajuda com minhas leituras, certamente lerei esse livro na íntegra.
    Não me arrependo de ser membro da BP e apoiar seus grandes projetos.
    Que Deus os abençoe e os use para transformar este país, começando com uma renovação cultural; e que Ele me permita também acompanhar isto.

  12. Weverthon

    Qual é a unidade do livro, que é explícito na regra 2 da leitura analítica? Tenho esse livro, mas não entendi essas regra 2,3 e outras.

  13. SUMARA GHIZZE PIO DA SILVA

    Uauuu, excelente resumo, li o livro a pouco tempo e este resumo está perfeito. Brasil Paralelo e toda equipe meus sinceros parabéns pela luta,inovação e orientação.
    Sumara

  14. laura

    Estou lendo o livro de Mortimer Adler, o resumo da Brasil Paralelo me ajudou a esclarecer algumas dúvidas em relação a obra, confesso que fui parte da Pátria Educadora como aluna, mas através da serié pude ter a consciência da raiz do meu problema no que refere a minha péssima escolarização, só me resta correr atrás do prejuizo, me informar e buscar nas fontes do conheciemntos tudo que não vi no meu Ensino Médio, superar é o meu dilema de agora em diante no que se refere ao meu processo de apredizagem, com certeza os documentais da Brasil Paralelo contribuim para toda a sociedade, aqueles que estejam dispostos a ver os dois lados da moeda através de fatos e de muita investigação na nossa histótia como país.

    1. Redação Brasil Paralelo

      É uma alegria ter você estudando conosco, Laura. Que bom saber que está gostando do conteúdo e vendo melhorias no seu crescimento pessoa!

  15. Carlos Eduardo Ferreira

    Então, eu não conseguir achar a parte que me ajuda a estudar livros da faculdade, por exemplo direito constitucional ou civil, no caso acredito que seria o estudo analítico né ?

  16. Gabriel

    Obrigado por mais um artigo muito didático e repleto de excelentes sugestões que certamente irão contribuir para a evolução do conhecimento de todos nós. Um orgulho imenso fazer parte da BP.

  17. Rosângela Rodrigues

    Tenho interesse na leitura sintópica, e busco a versão em português – A Syntopicon (The Great Ideas) Volume – I Angel To Love, Volume II – Man to World da coleção Great Books of the Western World da Encyclopædia Britannica, Inc .Compilados por Mortimer J. Adler, Vocês tem indicação de alguma editora que ofereça estes índices traduzidos?

  18. Talitta Torres Bonfim

    O que há de melhor na teoria e dicas práticas de um leitor inteligente e maduro. Excelente conteúdo! Inspirador … Meus livros são cheios de estrelinhas, ondinhas… anotações, mas só consigo a lápis e/ou lápis de cor. rsrs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *