Como Jesus morreu? [Descrição Médica]

Como Jesus morreu? Entenda a crucificação pela explicação de um médico

Como Jesus morreu

“A mais extrema, cruel e angustiante forma de punição”, diz o Dr. Pierre Barbet, cirurgião do Hospital Saint Joseph de Paris, em seu livro A Paixão de Cristo segundo o cirurgião, onde descreveu de forma médica como Jesus morreu.

A descrição da morte de Jesus está presente nos quatro evangelhos canônicos da bíblia: Mateus, Marcos, Lucas e João. Mas existem ainda outras fontes históricas que relatam a morte de Jesus.

Coube a um cirurgião investigar esses relatos para entender o que aconteceu com Jesus em cada momento da crucificação. Entretanto, antes de conhecer a visão de um médico sobre como Jesus morreu, alguns detalhes precisam ser relembrados.

O que você vai aprender neste artigo?

  1. A crucificação de Jesus realmente aconteceu;
  2. A cronologia da morte de Jesus;
  3. Como Jesus morreu? Descrição médica da morte de Jesus;
  4. A causa da morte de Jesus – Interpretação da fisiopatologia.

A crucificação de Jesus realmente aconteceu?

A crucificação de Jesus

Estima-se que a crucificação de Jesus tenha acontecido entre os anos 30 d.C e 33 d.C. A pedido dos judeus, ele foi levado a Pôncio Pilatos para receber uma sentença de morte. Este episódio também é chamado de Paixão de Cristo, aspecto central da teologia cristã, e inclui a doutrina da salvação e da expiação dos pecados da humanidade. 

A crucificação de Jesus é um evento firmemente estabelecido na história, confirmado pela múltipla atestação de autores cristãos e não cristãos, que escreveram o mesmo conteúdo em momentos distintos e sem terem se encontrado.

Apenas um evento real teria a força de dividir a história da humanidade em antes e depois de um modo tão cristalizado e forte. Muitos já tinham morrido em uma cruz, mas foi a morte de um galileu em específico que impactou civilizações inteiras para sempre. 

Relatos de não cristãos

Uma das primeiras atestações da morte de Jesus, escrita por uma pagã, é a carta de Mara Bar-Serapion dirigida ao seu filho. Provavelmente, a carta é de 73 d.C. Nela, há referências às injustiças cometidas contra três sábios: Sócrates, Pitágoras e o sábio rei dos judeus. 

Contemporaneamente, o historiador Lawrence Mykytiuk publicou um artigo condensando as informações sobre a vida de Jesus contidas nas principais fontes pagãs e judaicas. As principais foram a de Tácio, Josefo e escritos rabínicos dos primeiros séculos da era cristã.

No início do século II, Tácio, um dos maiores historiadores romanos, em Os Anais, descreveu a perseguição que os cristãos sofreram por parte de Nero. Também afirmou que Pilatos mandou matar Jesus:

“Nero reprimiu sua culpa e infligiu as mais requintadas torturas numa classe detestada por suas abominações, chamados de cristãos pela população. Christus, de quem se origina o nome, sofreu a pena capital durante o reinado de Tibério pelas mãos de um de nossos procuradores, Pôncio Pilatos.”

Flávio Josefo, em Antiguidades Judaicas, afirma a morte de Jesus sob Pôncio Pilatos. A obra é de 93 d.C.

“Vivia naquele tempo Jesus, um homem sábio, … Ele atraiu para junto de si muitos judeus e muitos gentios… E quando Pilatos, por sugestão dos principais homens entre nós, condenou-o à cruz…”

Até mesmo o Talmude babilônico aborda o tema de como Jesus morreu por crucificação:

“Na véspera da Páscoa, Yeshu foi pendurado. Por quarenta dias antes da execução, um mensageiro apareceu e exclamou: ‘Ele seguirá sendo apedrejado pois ele praticou a bruxaria e levou Israel para a apostasia. Quem puder dizer algo em sua defesa, que se apresente e o defenda’. Como desde então ninguém se apresentou em sua defesa, ele foi pendurado na véspera da Páscoa!”

O relato apostólico

Mesmo os quatro evangelhos são provas históricas de que Jesus de Nazaré realmente existiu e foi crucificado. Eles descreveram a morte de Jesus em períodos distintos e escreveram seus evangelhos sem se consultarem. 

Lucas, nem mesmo foi apóstolo, nada presenciou, mas ouviu a descrição de Paulo de Tarso, que se tornou apóstolo tardiamente e também nada havia presenciado.

Marcos, igualmente, não foi apóstolo, mas ouviu os relatos diretamente de Pedro.

O relato dos apóstolos e dos varões apostólicos coincide e confirma o mesmo fato, o que constitui prova histórica.

  • Contribua para que mais artigos como este continuem a ser produzidos e torne-se Membro Patriota da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 mensais. Além disso, você acessa materiais exclusivos todos os meses e ajuda na expansão e continuidade deste trabalho.

A cronologia da morte de Jesus

O intuito deste artigo é fazer uma descrição do que aconteceu fisiologicamente no corpo de Jesus ao longo de todas as suas horas de sofrimento. Por essa razão, é necessário relembrar, de forma resumida, o que aconteceu em cada hora desde o momento em que ele foi preso até sua morte. 

As últimas horas da vida de Jesus são resumidas assim:

  • 21h – Jesus reza no Horto das Oliveiras;
  • 22h – Jesus entra em agonia e sua sangue;
  • 23h – Jesus recebe o beijo de Judas, o traidor;
  • 00h – Jesus é preso;
  • 01h – Jesus é conduzido a Anás;
  • 02h – Jesus é entregue a Caifás;
  • 03h – Jesus é negado por Pedro;
  • 04h – Jesus é condenado à morte pelo sinédrio;
  • 05h – Jesus é conduzido até Pilatos;
  • 06h – Jesus é desprezado por Herodes;
  • 07h – Jesus é devolvido a Pilatos;
  • 08h – Jesus é preferido à Barrabás;
  • 09h – Jesus é flagelado;
  • 10h – Jesus é coroado de espinhos;
  • 11h – Jesus beija a cruz e a carrega;
  • 12h – Jesus é despojado de suas vestes e pregado na cruz;
  • 13h – Jesus perdoa o bom ladrão;
  • 14h – Jesus entrega sua mãe a João;
  • 15h – Jesus morre.

Onde Jesus foi crucificado?

Jesus foi crucificado no Gólgota ou Calvário, isto é, o lugar das caveiras. Ficava fora dos muros da cidade de Jerusalém, acessível aos que passavam e fácil de ser observado à distância. 

Em aramaico, calvário é Gûlgaltâ, gólgota, o lugar da crucificação. Tradicionalmente, os católicos consideram que esse lugar já havia sido atestado no século IV. Está dentro da atual Igreja do Santo Sepulcro no Bairro Cristão da Cidade Velha.

Quem estava presente no calvário quando Jesus morreu?

Mateus relata diversas pessoas presentes. Havia dois ladrões que também foram crucificados, um de cada lado de Jesus, um centurião romano posteriormente identificado como Petrônio e alguns outros soldados. 

Algumas mulheres também estavam presentes, destacando-se Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago e de José e a mulher de Zebedeu.

João, autor de um dos evangelhos, também estava presente.

Por que Jesus foi morto?

Teologicamente, a tradição cristã afirma que Jesus morreu para salvar a humanidade, que precisava ser redimida de seus pecados. Sua morte foi um ato de amor.

Desconsiderando a explicação religiosa, Ele foi morto por ser considerado perigoso, já que tinha apoio do povo e poderia ser uma ameaça ao poder dos judeus e dos romanos.

Quem mandou matar Jesus?

O responsável legal pela morte de Jesus foi Pôncio Pilatos. Foi ele quem o sentenciou à morte por crucificação, embora esse tenha sido o pedido dos judeus. 

Por que Jesus foi sentenciado a morrer na cruz?

A punição mais comum entre os judeus era o apedrejamento. Já os romanos, decapitavam, queimavam, entregavam a vítima aos animais ou a empalavam. Mas de todas as formas, a pior era a crucificação, reservada apenas aos principais inimigos de Roma, acusados de se rebelar contra César.

Quando Jesus foi levado diante de Pilatos, os sumos sacerdotes judeus e os fariseus insinuaram que Jesus se considerava Rei dos judeus. Essa acusação tinha uma dupla gravidade: para os judeus isso era uma blasfêmia e para os romanos uma afronta ao único rei que era o imperador em Roma.

Qual cruz foi usada na crucificação de Jesus Cristo?

Basicamente, o império romano usava quatro tipos de cruzes:

  • Cruz Decussata: Seu formato é um X e no cristianismo ela é conhecida como Cruz de Santo André. Nesse modelo, o prisioneiro ficava com os pés no chão e era amarrado. Feito isso, soltavam-se animais para devorá-lo vivo.
  • Cruz Grega – Iniça Quadrata: Seu formato é o de um + e nunca passava de 2 metros de altura para facilitar que os animais devorassem o preso. 
  • Cruz Comissata: Seu formato é o de um T.  O condenado carregava o patibulum, parte horizontal, onde se inscrevia o titulus, placa com o nome do prisioneiro e a razão de sua morte. A parte vertical costumava já estar fincada no local da crucificação. 
  • Cruz Latina: Era a mais utilizada pelos romanos, com aproximadamente 3 metros de altura. É o formato mais tradicional conhecido e usado.

Não era necessário crucificar os condenados exclusivamente dessa forma. A crucificação poderia acontecer em árvores, muros e paredes.

Baseando-se no evangelho de Mateus, acredita-se que Jesus morreu crucificado na Comissata ou na Latina. Em ambas seria possível anexar o titulus.

Sabe-se que na cruz de Jesus estava escrito “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus” em hebraico, latim e grego.

Em relação à altura da cruz, o que também confirma a possibilidade de terem sido a Comissata ou Latina é o fato dos soldados terem necessitado de um caniço para dar de beber a Jesus e de terem usado uma lança para perfurá-lo. 

Quando Jesus morreu?

Não há consenso, mas há uma concordância geral de que a morte de Jesus aconteceu em uma sexta-feira, durante o governo de Pôncio Pilatos, entre os anos 30 d.C e 33 d.C.

No Evangelho de Marcos (15,25), ele afirma que a crucificação ocorreu na hora terceira (9h da manhã) e que a morte de Jesus ocorreu na hora nona (15h).

Para Colin J. Humphreys, professor e diretor de pesquisa em Cambridge, em O mistério da última ceia, descreve:

“Mas sabe-se que morreu no reinado de Tibério César (que durou de 14 a 37 d. C.), executado por Pilatos (prefeito da Judéia de 26 a 37 d. C.) e quando Caifás era sumo sacerdote (entre 18 e 36 d. C.). Ou seja, Jesus morreu entre 26 e 36 d. C. Nesse intervalo de 10 anos, a maioria dos grandes especialistas bíblicos inclina-se sobretudo para duas datas: 30 d. C. e 33 d. C. Mas sem certezas. Além disso, falta descobrir o dia do mês, os quatro evangelhos afirmam apenas ter sido no dia antes do sabat, ou seja, numa sexta-feira.”

E como o jantar da Páscoa Judaica deveria acontecer no 15º dia do primeiro mês do ano religioso judeu, isso significa que Jesus pode ter morrido em Março ou Abril.

Finalmente, para responder à pergunta “como Jesus morreu”, o que se segue é um resumo do que está no livro do Dr. Pierre Barbet, cirurgião do Hospital Saint Joseph de Paris, em seu livro A Paixão de Cristo segundo o cirurgião.

  • Torne-se Membro do Núcleo de Formação da Brasil Paralelo para ter acesso ao Núcleo de Formação. Você terá conteúdos exclusivos de todos os documentários e acesso a dezenas de cursos sobre história, filosofia, economia, arte e educação. Aprenda com os grandes pensadores da humanidade e receba conteúdo inédito todos os meses.

Como Jesus morreu? Descrição médica da morte de Jesus

Cronologia de como Jesus morreu por horas

Desde o século I, existem publicações sobre os aspectos médicos da morte de Jesus.

Atualmente, com o conhecimento que se tem da fisiopatologia de um paciente com traumas por grandes feridas, pode-se inferir quais foram as mudanças fisiológicas ocorridas no corpo de Jesus durante a crucificação.

Horto da Oliveiras (Getsêmani)

“E seu suor tornou-se como que coágulos de sangue caindo pelo chão” (Lucas 22,44).

Dentre os evangelistas, Lucas foi o único a relatar esse fenômeno do suor de sangue. Não por coincidência, ele era médico. 

A hematidrose (hematihidrosis ou hemohidrosis) é um fenômeno raro mas bem documentado. Aparece, segundo o Dr. Le Bec “em condições completamente especiais: uma grande debilidade física, acompanhada de um abalo moral, seguido de profunda emoção, de grande medo”.

Lucas exprime por “agonia” o que em grego significa luta, ansiedade e angústia. Isso pode desencadear a dilatação dos vasos capilares que ficam sob a pele, que se rompem em contato com os fundos-de-saco de milhões de glândulas de suor. 

Nesse contato, o sangue se mistura ao suor e se coagula na pele após a exsudação. É esta mistura de suor e de coágulos que se reúne e escorre por todo o corpo em quantidade suficiente para cair por terra. 

Essa hemorragia microscópica se produz em toda a pele, que fica atingida e prejudicada em seu conjunto e, de algum modo, dolorida, e mais sensível para todos os golpes futuros.

Os primeiros golpes em Jesus

Uma vez preso e aguardando o julgamento de Caifás, Jesus recebeu bofetadas e socos. Foi colocado um véu sobre sua cabeça e cada um o golpeou ali. Com o corpo já completamente dolorido, os tapas reboaram e sua cabeça ressoava latejando. 

Provavelmente, neste momento ele sentiu as primeiras vertigens, ou seja, perda de equilíbrio. 

A flagelação

Paixão de Cristo segundo o cirurgião

Jesus já foi apresentado diante de Pilatos com equimoses (hematomas) e escarros. Como foi entregue para ser flagelado, foi levado ao lugar chamado pretório, onde foi desnudado e amarrado com os braços esticados para cima e os punhos amarrados no alto de uma coluna.

A flagelação era uma preliminar legal em toda execução romana. A lei hebraica fixava que 39 golpes deveriam ser dados. Mas os carrascos não seguiram esse número e foram até o limite da síncope (desmaio). Eram dois algozes, um de cada lado.

O Dr. Barbet também estudou detalhadamente o Sudário de Turim. Pelas análises, as marcas dos flagelos podem ser vistas nas espáduas, costas, rins e também no peito. 

As chicotadas vão até às coxas e barriga-das-pernas; e aí, a extremidade das correias, além das balas de chumbo, contorna o membro e marca seu sulco até a face anterior das pernas.

Aos primeiros golpes, as correias deixaram longos riscos azuis de equimose subcutânea em uma pele já sensibilizada e dolorida pelas milhões de pequenas hemorragias intradérmicas do suor de sangue. 

Os soldados usavam açoite curto (flagram ou flagellum) com várias cordas ou correias de couro, com bolas de ferro ou pedacinhos de ossos nas pontas. As bolas de ferro causavam contusões e hematomas, mas com ossos, rasgavam a pele e o tecido subcutâneo.

Durante o açoite, as lacerações cortavam até mesmo os músculos, produzindo tiras sangrentas de carne rasgada. Essa era a criação das condições para perder líquidos como o próprio sangue e o plasma. 

Diz o doutor:

“As balas de chumbo marcam mais. Em seguida a pele, infiltrada de sangue, mais sensível, é dilacerada por novos golpes. O sangue jorra, pedaços se destacam e ficam pendentes. Toda a face posterior não é outra cousa senão uma superfície vermelha sobre a qual se destacam grandes vergões jaspeados; cabeça Lhe gira com sensações de vertigem e náuseas, calafrios Lhe passam ao longo da espinha”.

A coroa de espinhos

Após a flagelação, os soldados colocaram sobre a cabeça de Jesus uma coroa de espinhos. Comum na região da Palestina, foi usado o espinho Zizyphus ou Azufaifo, chamado Spina Christi, espinhos agudos, longos e curvos.

Os soldados teceram a coroa de espinhos em uma espécie de fundo de cesta, que Lhe aplicam sobre o crânio. Não foi uma tiara, como se representa, mas tinha formato de capacete e abrangia todo o crânio. 

Os juncos torcidos envolveram a cabeça entre a nuca e a testa. Os espinhos penetraram no couro cabeludo, parte esta do corpo extremamente sensível e que sangra muito. Logo o crânio ficou todo pegajoso de tantos coágulos. 

Observando o sudário, o Dr. Barbet notou também uma horrível chaga contusa no nariz de Jesus, que ficou deformado por uma fratura da aresta cartilaginosa.

A Via Dolorosa (Via Crucis)

Primeiro, arrancam-Lhe a clâmide (manto) que já estava colada a todas as suas feridas. O sangue que já havia secado voltou a escorrer e um grande calafrio lhe perpassou. 

Fizeram-no vestir de novo suas próprias roupas que logo se tingiram de vermelho. Jesus caminhou descalço pelas ruas de um solo escabroso semeado de pedregulhos. Com frequência caiu sobre os joelhos, que em pouco tempo não eram outra coisa senão uma só chaga.

Ele carregou a cruz do poste de flagelação até o lugar da crucificação. A cruz pesava mais de 300 libras (136 kg). Mas somente o patíbulo, parte horizontal, foi colocado sobre sua nuca, balançando sobre os dois ombros. Pesava entre 75 e 125 libras, aproximadamente 30 kg.

A caminho tinha aproximadamente meio quilômetro, por volta de 600 metros. Finalmente, ele chega ao topo, onde será crucificado.

Antes de iniciar a crucificação no calvário, foi oferecida a Jesus uma bebida narcótica (vinho com mirra e incenso), para diminuir a dor. Ele recusou.

A crucificação de Jesus

No decorrer do caminho, sua túnica estava mais uma vez colada em suas chagas, em todo o seu corpo. 

Cada fio de lã estava colado à sua superfície despida, e quando eram retirados, cada um dava a sensação de arrancar uma das inumeráveis terminações nervosas deixadas a descoberto nas chagas.

“Choques dolorosos se adicionam e se multiplicam, aumentando cada um para o seguinte a sensibilidade do sistema nervoso. Ora, não se trata aqui de lesão local, mas de quase que toda a superfície do corpo, e sobretudo daquelas lamentáveis costas”.

“Colocaram-n’O ao pé do “stipes”, com as espáduas deitadas sobre o “patibulum”. Os carrascos tomam as medidas. Um golpe inicial para preparar os buracos dos cravos, o nervo mediano fora atingido”. 

Jesus experimentou uma dor inenarrável, que se espalhou por seus dedos, subiu como uma língua de fogo até a espádua e prorrompeu no cérebro. Isso quase sempre acarreta a síncope.

Os pregos ou cravos, tinham um diâmetro na cabeça de 13 cm e comprimento de 18 cm, e eram cravados sobre os pulsos, pois se fosse nas mãos, elas se rasgariam completamente. 

Provavelmente foram colocados entre o rádio e os metacarpianos; ou entre duas fileiras de ossos carpianos, perto ou através do forte flexor retinaculum e demais ligamentos intercarpais. 

Fisiopatologia da crucificação de Jesus

A possibilidade de uma ferida perióssea dolorosa foi grande, bem como a lesão de vasos arteriais tributários da artéria radial ou cubital. O cravo penetrado destruía o nervo sensorial motor, ou comprometia o nervo médio, radial ou o nervo cubital. 

A afecção de qualquer destes nervos produziu tremendas descargas de dor em ambos os braços. O empalamento de vários ligamentos provocou fortes contrações nas mãos.

“As agudas pontas do grande chapéu de espinhos dilaceraram o crânio mais profundamente ainda. Sua pobre cabeça pende agora para a frente, porque a espessura de sua corôa impede de repousar sobre a madeira, e, cada vez, que a ergue renova as picadas”.

Sob uma pequena pirâmide truncada, os pés foram posicionados e pregados por um prego de ferro entre o primeiro e o segundo espaço intermetatasiano. Consequentemente, o nervo profundo do perônio e ramificações dos nervos médios foram feridos.

Não há consenso se apenas um prego foi utilizado para ambos os pés ou se foram dois. 

Descrição médica dos pregos que traspassaram Jesus

Nas palavras de São Meliton de Sardes, vê-se que:

“Os padecimentos físicos já tão violentos ao fincar os pregos, em órgãos extremamente sensíveis e delicados, faziam-se ainda mais intensos pelo peso do corpo suspenso pelos pregos, pela forçada imobilidade do paciente, pela intensa febre que sobrevinha, pela ardente sede produzida por esta febre, pelas convulsões e espasmos, e também pelas moscas que o sangue e as chagas atraíam”.

Nesta longa sequência que explica como Jesus morreu, vale lembrar que ele não tinha comido nada desde a véspera da tarde. Aproximava-se ao meio-dia e ele já tinha perdido muita massa sanguínea. Jesus tinha sede.

A causa da morte de Jesus – Interpretação da fisiopatologia 

Jesus sofreu múltiplos traumas e contusões. Com tantos ferimentos e dores, a crucificação aumentava sua dor nos braços e nas pernas, interferindo na respiração normal, principalmente na exalação.

Os braços ficaram estendidos, mas o peso do corpo os puxava para baixo. Por essa razão, os músculos intercostais ficavam em um estado de inalação, afetando a inalação passiva, diafragmática e muito leve.

Respirar assim era insuficiente e aumentava a retenção de CO2 (hipercapnia). Para respirar e inalar o suficiente, Jesus precisava se apoiar nos pés, flexionar os braços e depois soltar o corpo para conseguir exalar.

A flexão dos cotovelos causava a rotação dos pulsos em torno dos pregos de ferro e esse movimento retomava em seu corpo dores semelhantes a de ser novamente pregado, porque o movimento fazia roçar os nervos e músculos lacerados nos pregos.

Durante horas de fadiga, teve cãibras musculares e contraturas tetânicas. Isso fazia com que os músculos dos braços ficassem mais rígidos espontaneamente por uma contração que se acentuava cada vez mais.

“Os deltóides, os bíceps estão entesados e salientes, os dedos se crispam. Câimbras! É o que chamamos de tetania, quando as câimbras se generalizam, e eis que apareceu. Os músculos do ventre se enrijecem como em ondas congeladas, depois os intercostais, em seguida os músculos do pescoço e os músculos respiratórios”. 

“A respiração tornou-se a pouco e pouco mais curta, superficial. As costelas já elevadas pela tração dos braços, ainda se sobreelevarn; o epigastro se cava e também o mesmo acontece com as covas das clavículas. O ar penetra sibilando, mas quase não sai mais. Respira só no alto, inspira um pouco e não mais consegue expirar”.

Jesus morreu por asfixia?

Com a respiração cada vez mais fatigante e agonizante, eventualmente aconteceria a morte por asfixia.

“O rosto pálido pouco a pouco fica corado, vermelho, passa ao violeta púrpura e em seguida ao azul. É a asfixia. Os pulmões, fartos de ar, não conseguem se esvaziar”.

“Os tornozelos e os joelhos, a pouco e pouco, se estendem e o corpo, a arrancões, se ergue, aliviando assim a tração dos braços (tração que era de mais de 90 quilos para cada mão). Então, eis que o fenômeno diminui por si mesmo, a tetania regride, os músculos se distendem, pelo menos os do peito. A respiração torna-se mais ampla e mais profunda, os pulmões se desenfartam e, dentro de pouco, o rosto retoma sua palidez anterior”.

Todo esse esforço foi feito porque Ele queria falar. 

Os evangelistas registraram sete frases ditas por Jesus enquanto estava na cruz:

  • Pai, perdoa-lhes; pois não sabem o que fazem. (Lucas 23:34) – imediatamente ao ser crucificado.
  • Em verdade te digo que hoje, estarás comigo no Paraíso (Lucas 23:43) – respondendo ao “bom ladrão”.
  • Mulher, eis aí teu filho! Filho, eis aí tua mãe! (João 19:24-27) – ao entregar Maria, sua mãe, aos cuidados de João.
  • Eli, Eli, lamá sabactâni? que quer dizer, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Mateus 27:46); também em Eloí, Eloí, lamá sabactâni? que quer dizer, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Marcos 15:34) – imediatamente antes de morrer.
  • Tenho sede. (João 19:28) – “para se cumprir a Escritura”.
  • Está consumado. (João 19:30) – após beber o vinagre e imediatamente antes de morrer.
  • Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. (Lucas 23:46) – imediatamente antes de morrer.

Era de costume deixar que os corpos ficassem longas horas pendentes na cruz, até mesmo à putrefação até que feras ou aves de rapina devorassem as carcaças. 

Para acelerar o fim dos condenados, costumava-se também quebrar suas pernas a golpes, para que não conseguissem se impulsionar para respirar. Essa operação era o crurifragium

Com Jesus isso não aconteceu, porque já tinha morrido. Entretanto, um dos soldados romanos quis dar em Jesus o chamado golpe de misericórdia e traspassou-lhe o peito com uma lança.

O relato bíblico aponta que nesta hora saiu do lado de Jesus sangue e água. Os médicos concluíram que o pericárdio (saco membranoso que envolve o coração) deve ter sido alcançado com a lança. Outra alternativa é que tenha sido perfurado o ventrículo direito ou até um hemopericárdio postraumático.

A profusão de sangue pode ter vindo do fluido de pleura e do pericárdio. 

Comente e compartilhe. Quem você acha que vai gostar de ler sobre como Jesus morreu?

A Brasil Paralelo é uma empresa independente. Conheça nossas produções gratuitas. Todas foram feitas para resgatar os bons valores, ideias e sentimentos no coração de todos os brasileiros.

44 comentários

  1. Douglas

    Leitura de um sofrimento humano angustiante. Se tem uma coisa que o homem faz bem é o mal.
    Mas Deus sempre soube o que fazia e por ele veio a redenção da humanidade.

  2. Jair Afonso Silva

    Linda explicação . E esse sofrimento estava reservado a nós , mas Jesus Cristo derramou o seu Amor por nós na Cruz do Calvário para que a ira de Deus não fosse derramada sobre a humana. Deus abençoe a essa iniciativa. Desejo uma Páscoa abençoada a todos os envolvidos.

  3. Patricia Miura

    Uma história trágica, triste e de amor (por nós). As pessoas se esquecem de tudo que o Amado Mestre Jesus fez para quitar as dívidas da Humanidade e depois de 2021 anos persistem no erro, condenam os justos e idolatram os “barrabás”.
    Grata por mais um trabalho de excelência.

    Essa passagem triste foi psicografada por Chico Xavier no Livro ‘Há 2.000 Anos’.

  4. Carla

    O que se há para dizer depois de um relato tão esmiuçado,contido na reportagem acima? As únicas palavras ditas, inevitavelmente, são as lágrimas.😢

  5. francisco tommasi

    Saber como Jesus morreu e o real motivo do seu sacrifício é uma revelação! O preço da vida eterna! …”pegue sua Cruz e siga-me”….
    Valores contrários aos almejados por qualquer sociedade atual. Se da revelação não nasce uma reflexão, é por que a semente caiu em uma terra estéril e ali, nenhum esforço produzirá frutos! Obrigado Brasil Paralelo, pela esperança que depositam nos brasileiros!

  6. Eudes Zambai

    Dirigo o espetáculo Paixão de Cristo em Sobradinho Bahia, e estava em busca de pesquisas e escrever um novo roteiro, sem fantasias teatrais.
    Lê esse artigo me emocionou e me fez chorar. Parabéns pelo trabalho, era isso que buscava.

  7. ana luiza

    Infelizmente muitos não entendem a grandeza desse homem, não entendem a sua verdadeira identidade, preferem fazer filmes tachando-o de gay, ou colocarem o diabo lhe dando chibatadas como foi no carnaval.
    “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era um deus.” — João 1:1
    Pode ter certeza BP que vou compartilhar este artigo, nesse dia ao qual nos entristecemos com a sua morte, mas nos alegramos com a sua ressurreição, que Deus os abençoe.

  8. Luciano

    Terrível… É difícil de entender tudo isso. Não parece fazer sentido tanto sofrimento, realmente era necessário chegar a esse ponto? Porque não destruir a serpente no início?

  9. Fábio Sales Tonheiro

    mesmo para os incrédulos, não tem como deixar de mencionar em o AC e o DC num relato histórico. e isso é o q ocorre com um encontro real, uma experiência do amor de Deus, a vida será ou terá AC e o DC.

  10. Aparecida Rodrigues

    Gostei e aprendi muito com este artigo, sou cristã, mas muitas perguntas foram respondidas com as colocações apresentadas. Gratidão.

  11. Gustavo Zurlo

    Sem você ter acesso a Deus através da Fé por meio do arrependimento dos seus pecados, tudo que foi contado acima passa despercebido e desacreditado, por isso nós cristãos temos convicção de que isso tudo foi real, por causa da manifestação de Deus em nós por meio do Espirito Santo, assim como Jesus disse que ocorreria antes da sua ressurreição.
    Ele vive e podemos depositar nossa fé no Único que pode unir nosso espírito com Deus eternamente. amém.

  12. Eldon

    artigo maravilhoso. Nos faz lembrar a dor e o sofrimento de jesus. nesse sentido, podemos usar este exemplo de amor incondicional para levar a vida da melhor forma. Com força, esperança e confiança em Deus podemos ser melhores. A humanidade precisa de Deus. Obrigado BP pelos conhecimentos que são disponibilizados.

  13. Itamar Dias Fernandes

    Sempre, sofri desde criança, com o medo que, em mim, habita, da perversidade humana. Principalmente, a advinda de governos insensíveis, egoístas, narcísicos. Os quais são capazes de tudo, contra líderes a exemplo de JESUS CRISTO. O qual, por defender os pobres e marginalizados da sociedade, fora vítima de tamanhas atrocidades. Infelizmente, os teólogos, em sua maioria, ligados ao poder, não descrevem a verdadeira essência, sobre, qual seria o verdadeiro Reino de Deus, proposto por JESUS. Evidentemente, que o nosso intelecto e bom senso, não hesitaria, afirmar: O REINO em que o AMOR é proporcionalmente, a todos possível.
    Vez por outra, tenho tido o desprazer de internautas pedirem a volta do tempo de CÉSAR E HERODES, STALIN, FIDEL CASTRO, PINOCHET, MAO TSÉ TUNG, utilizados pela PEÇONHENTA DITADURA MILITAR instalada em 31/03/1964. Muitos irmãos foram cruelmente mortos e torturados, por se posicionarem em defesa dos mais sofridos de nossa sociedade brasileira. Itamar Dias Fernandes

  14. Emerson

    Ótimo texto! Uma páscoa abençoada para todos!
    Sugiro postagens sobre arqueologia bíblica. Ron Wyatt teria encontrado o verdadeiro lugar da crucificação(não esta dentro de igreja) inclusive com os buracos das cruzes no chão e uma rachadura por onde o sangue de Cristo pôde escorrer até a Arca da Aliança que estava abaixo do local da crucificação. Tambem teria encontrado a arca de Noé fossilizada por lava nas montanhas de Ararat. Fica a sugestão para pesquisarem.

  15. Myrian Leal Maia

    Parabéns pelo artigo! Apesar do sofrimento exposto, creio ser de fundamental importância resgatar, em detalhes, o que fizemos com Jesus, para nos ajudar na reflexão sobre se não estamos o crucificando até hoje. O Puro Amor, a Verdade, a Vida…tudo parece estar sendo crucificado agora. Li um livro que relata com detalhes a vida de Jesus, e inclusive este momento da crucificação: “O Evangelho como Me Foi Revelado de Maria Valtorta”, Vol. 10. É assustadora a descrição deste momento. Ela vem ao encontro com as descrições deste artigo. Obrigada por proporcionar mais uma excelente leitura, ainda que muito triste!

  16. Eladio Alonso Diz

    Memo estudando em escola religiosa, nunca tive acesso a tão farto material sobre a morte de Cristo. Quero agradecer por essa aula e torcer para que cada dia vocês cresçam mais, e possam ajudar a mais pessoas se tornarem mais cultas.

  17. Allan Gredson

    Eu sei que meu redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra, o qual com seu sangue pagou alto preço por amor de mim ,garantindo em sua graça redenção aos homens através da fé e boas obras amém. Ele é a luz do mundo ,a água viva o Primogênito, o Cordeiro de Deus o Pai que é o Centro e a fonte de todo amor e bondade, o autor do maravilhoso plano de redenção no qual Cristo nos resgatou amém Glória Glória a Jeová pra todo sempre …amém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *